quinta-feira, 29 de maio de 2008

Um bocadinho maiores!

Hoje achei que era altura de tirar a parte de trás das cadeirinhas de transporte do carro. Como não sabia concretamente a questão dos pesos e alturas de cada tipo de cadeirinha fui investigar, e encontrei tudo muito explicadinho aqui.
Escusado será dizer que os pirralhos ficaram inchadíssimos. Tão grandes!!!!!




Transporte de crianças em veículo automóvel.
Todas as crianças, incluindo os recém-nascidos, devem viajar obrigatoriamente numa cadeira adequada, aprovada para o seu tamanho e peso, quer sejam transportados no banco da frente ou no banco de trás.
Há pais que permitem que os filhos viajem "à solta" nos carros. Outros não sabem usar os sistemas de retenção apropriados. É sabido que a ausência (ou uso incorrecto) de sistemas de retenção - obrigatórios por Lei - contribui para a morte de 80% das crianças que se envolvem em acidentes de viação.
As cadeiras aprovadas para o transporte de crianças foram submetidas a ensaios e homologadas de acordo com as normas de segurança internacionalmente reconhecidas.
Actualmente, as cadeiras que oferecem mais garantias são aquelas que estão aprovadas de acordo com a nova versão do regulamento 44 da ECE/ONU e podem ser reconhecidas através do número de aprovação ou homologação (que em vez de 02 começa por 03).

Além disso, o código da estrada estabelece que é obrigatório o uso de acessórios homologados para o transporte de crianças no automóvel. Para ser eficaz, a cadeira da criança deve ser:
1 - Segura, ou seja, deve ter uma etiqueta "E" que comprova a uniformidade com os requisitos mínimos exigidos pelo regulamento ECE R44 e que indica obrigatoriamente o peso da criança a que se destina:
2 - Utilizada correctamente, ou seja, seguindo escrupulosamente as instruções de montagem;
3 - Adequada ao peso e à idade da criança, mas tendo sempre presente que é mais seguro continuar a viajar voltado para trás durante o máximo de tempo possível;
4 - Utilizada sistematicamente, qualquer que seja o comprimento do percurso a efectuar.
Grupos de aprovação definidos pelas normas europeias consoante o peso da criança:



Que cadeira escolher
Existem vários modelos. Independentemente daquele que escolher, certifique-se de que é o mais adequado e confortável para o seu filho.
É natural que as crianças, principalmente as que nunca usaram cinto, coloquem no início algumas dificuldades à sua aceitação.
Seja firme e ele acabará por se habituar.
Desde logo, há cadeiras adequadas ao peso, sendo a idade apenas um indicador.
Cadeiras auto
Até aos 10Kg (9-12 meses) - cadeira com cintos incorporados e onde a criança viaja semi-sentada. A cadeira é colocada no banco de trás ou da frente, virada para trás, e é presa pelo cinto desegurança. Esta cadeira não deve ser utilizada num lugar equipado com air-bag.
Estas cadeiras têm a vantagem de serem fáceis de transportar, podendo, também, ser também utilizadas em casa, para as primeiras papas. Mantenha sempre o cinto de segurança apertado e correctamente ajustado, mesmo que não esteja no carro.A alternativa é um dispositivo que incorpora uma almofada ou berço, que poderá ter ou não cintos incorporados, onde a criança viaja deitada. Coloca-se atravessado no banco do veículo, fixando-se com o cinto do carro ou com um sistema de fixação, especialmente concebido.Saiba que antes dos 10Kg não existe qualquer sistema de fixação homologado, que permita transportar a criança voltada para a frente.
Dos 9 aos 18Kg (8 meses – 3 anos) - nesta idade, a escolha de cadeiras é mais variada.
Existem quatro sistemas de retenção que se distinguem pela forma como actuam: as cadeiras viradas para a frente, com cintos integrados e que se fixam ao banco com o cinto de segurança; As cadeiras com protector de impacto, que permitem fixar simultaneamente a criança e a cadeira com o cinto do carro, passando pelo interior de um protector de impacto colocado à frente da criança; as cadeiras de apoio que permitem fixar, simultaneamente, a criança e cadeira com o cinto do carro; e, finalmente, as cadeiras de assento invertido.Mais de 15Kg (a partir dos 3 anos) - aos três anos, a criança ainda é muito pequena para utilizar apenas o cinto de segurança do carro.Apesar da lei o permitir, recomenda-se, no entanto, o uso de dispositivos de retenção, aprovados até aos 12 anos ou até a criança atingir 1,50m de altura. Desta forma, a criança viaja mais segura e também mais cómoda (já que facilita a aceitação do cinto), se usar uma cadeira de apoio ou um banco elevatório.
Quando viajar de carro, deverá ter em atenção algumas medidas de protecção e conforto:
 Nunca permita que as crianças viajem de outra forma que não sentadas (de pé, ajoelhadas no banco ou deitadas), nem que coloquem os braços ou a cabeça para fora da janela.
 Use os fechos de segurança automáticos nas portas e janelas do carro, evitando que as crianças tenham autonomia para abrir as portas ou baixar vidros. Elas podem querer fazer essas operações, quando o carro estiver em movimento.
Equipe os vidros do carro com estores, para proteger os ocupantes do sol;
De preferência, parta a horas frescas, num veículo arejado;
Faça paragens de duas em duas horas, para mudar, refrescar e distrair a criança;
Dê-lhe de beber frequentemente, para evitar o risco de desidratação;
No caso de viajar com um bebé e este já não mamar, o mais prático é comprar o leite já preparado e esterilizado, pronto a ser bebido. Quanto aos alimentos sólidos, pode optar pelos boiões de comida, de onde o bebé pode comer directamente.
É natural que a criança tenha menos apetite durante a viagem;
As fraldas descartáveis são muito práticas, assim como os toalhetes;
Se a criança ainda for muito pequena, não se esqueça de levar alguns brinquedos de que gosta mais;
Leve a criança bem instalada e segura, numa cadeira auto, adequada ao seu peso e idade. Ela merece tanta ou mais segurança que os adultos e não pode proteger-se sozinha.
Nunca deixe a criança sozinha no carro, nem por um minuto, pois ela pode se magoar não existindo ninguém para as socorrer, mexer em mecanismos do carro que podem causar acidentes... ou o carro ser furtado com ela lá dentro.
O texto é grande, mas é importante.

Sem comentários: